domingo, 16 de setembro de 2012




O GNR prevaricador
(parte II – os telefonemas)


Passados vários meses depois do incidente que vos contei, o meu telemóvel toca.
- Sim? (se calhar devia adoptar o Alô!)
- Menina C.? Então, está tudo bem?
- Quem fala?
- Não me diga que não se lembra de mim!
- Não estou, realmente, a perceber.
- Lembra-se daquele guarda que a ajudou quando você não parou na operação Stop?
- Ah, o senhor! Sim, lembro. Está tudo bem consigo?
- Sim, está. Estava à espera que me dissesse alguma coisa. Nem um cafezinho… Sabe que se não fosse por mim, você tinha ficado sem carta.
- Pois, e agradeço-lhe imenso.
- Pois, mas não parece…
- Olhe, agora vou ter que desligar, porque tenho que sair.
- Fique com o meu número. Vou ficar à espera que me ligue.
Gelei! Mas o que é que o raio do homem queria?! Já lhe tinha agradecido, por telefone, há uns meses. Este caramelo telefonou-me para quê?! Para cobrar uma dívida? Uma dívida de quê? E agora quer um cabrito ou presunto, querem ver!
Como é óbvio, nem o número guardei. E acabei por ignorar o assunto. No entanto, por altura do Dia da Consoada há uns dois anos atrás, lá me liga, novamente o homem. Não reconheci o número. Não percebia o porquê daqueles telefonemas.
- Telefonei só para lhe desejar um bom Natal. Estava à espera que me ligasse. Não guardou o meu número, heim!
- Pois, mudei de telemóvel… Bom Natal para si também.
- Lembra-se que se não fosse por mim, tinha ficado sem carta?
- Sim, muito obrigada.
- Pois, vá dizendo alguma coisa.
E seguiram-se mais uns quatro telefonemas iguais a estes. O raio do homem chegou-me a telefonar no próprio dia de anos, para que lhe desse os parabéns. Senti-me uma personagem de um filme de terror.  
O que este senhor queria, sei eu muito bem! Badalhoco! Nojento. Um homem com os seus 50 anos e com aquela fisionomia a dar-se a estes preparos. O que ele merecia, era umas chibatadas naquele nalgueiro para aprender a não se insinuar desta forma e respeitar a farda que veste.



15 comentários:

  1. Estás a brincar? Que nojooooo!!!
    É a gentinha que anda por aí! Enfim...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo verídico. Houve uma altura em que me senti até ameaçada. Entretanto, deixei de atender os telefonemas. Vamos ver se, por altura do Natal, ele torna a ligar.

      Eliminar
  2. Mas que nojo... ainda tinha eu pena dele.

    ResponderEliminar
  3. Isso merecia a gravação da conversa e uma queixa. Eu nunca tive fé nessa cambada de gosmas.
    E acabou aqui, ou ainda há mais episódios? :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até agora, foram só telefonemas. Se houver desenvolvimentos, faço questão de escrever sobre isso aqui!

      Eliminar
  4. O homem queria festa, ahahah! Ficou pelo beicinho, foi o que foi!

    ResponderEliminar
  5. oh meu deus, o que te saiu na rifa mulher! Há cada um! :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. E são esses polícias que andam a capturar os perseguidores tarados? Perseguidor tarado é o que esse homem é! Raios, arranjaste-a bonita. Mais valia teres ficado com a carta apreendida e sem esses telefonemas manhosos.

    ResponderEliminar
  7. Mais valia ter pago a multa e pronto. Para a próxima (que esperemos que não haja) já sabe, não vá apanhar com outro desses..

    ResponderEliminar
  8. Ele não "merecia" umas chibatadas no nalgueiro. Ele QUERIA essas chibatadas! :P

    ResponderEliminar
  9. 50 anos?!? Bem já tinha idade para ter juízo. Eu ainda fiquei a pensar que ele seria novito, mas 50 anos é demais, vá mas é ganhar juízo.
    Bjs espero que ele se toque e pare.

    ResponderEliminar